quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Meu lugar preferido em 2010

Solar da Mímica




Quando se olha para um outro ser humano, é difícil manter o olhar.
Há vergonha, timidez, e, principalmente, medo.
O que o outro nos oferece pode ser um mundo que não estamos preparados para enfrentar.
A humanidade já errou demais, matou demais, pecou, humilhou.
Nossa memória coletiva nos mantém assim, temerosos! Olhamos para outro não apenas com os olhos, mas com nossas mãos, braços, pernas, ombros, nariz, joelhos, púbis, vísceras, estômago, cérebro, sangue. Todo o nosso corpo observa e se retrai.
Ultrapassar essas barreiras é descobrir-se, é mostrar-se sem medo, é não inventar verdades, não se proteger, é deixar-se ser flechado, é desamarrar a teimosia, dizer verdades doloridas, doar-se, gozar um na cara do outro.
Eis que o meu lugar preferido em 2010 foi o Solar da Mímica, por ter arrancado minhas roupas, minhas máscaras, minhas mentiras, por ter-me jogado ao chão, nua, sem esperança, sem vida, para que eu pudesse ressurgir como uma fenix!


2 comentários:

Ellen ☆ nascimento disse...

é muito bom ter a chance de um dia assim, sem barreiras ou imposições. Renovador.
bjs

Larissa Bohnenberger disse...

Nossa! Lindo isso!